Lixo nas águas: não é nada bonito…

 

A POLUIÇÃO DA ÁGUA é a contaminação dos corpos d’água por elementos físicos, químicos e biológicos que podem ser nocivos ou prejudiciais à biodiversidade e à atividade humana. É uma questão muito séria, já que a água é essencial para a vida. 

A água também é fundamental para a produção de alimentos, de energia e de bens industriais de diversos tipos. Em resumo, ela é o recurso mais importante para a nossa sociedade e para a vida na Terra e por isso é tão necessário evitar a sua poluição. 

A principal causa da poluição das águas é o desenvolvimento desenfreado das atividades econômicas, com o aumento da disposição indevida de rejeitos advindos do sistema de esgoto e saneamento. Outra causa também é o destino incorreto do lixo por parte da população, que atira resíduos em encostas de rios e nos cursos d’água. Isso acontece não apenas por falta de consciência ambiental — muitas pessoas não têm saneamento básico disponível, ficando sem serviços de coleta de lixo e esgoto.

 

Impactos sérios

Há de se levar em consideração que, em uma bacia hidrográfica, tudo o que é gerado em sua área de abrangência é escoado para o leito do seu rio correspondente. Dessa forma, o aumento da poluição no espaço das cidades gera uma maior carga de poluentes para o leito dos rios que cortam essas áreas urbanas. 

A disposição incorreta de lixo nas vias públicas também é um grande problema ambiental urbano. O lixo que se joga na rua é arrastado pelas chuvas e entope bueiros e bocas de lobo. A água da chuva, então, não tem espaço para transitar e as tubulações ficam entupidas de resíduos, transbordam e causam alagamentos e enchentes. 

No campo, o grande problema é a contaminação por agrotóxicos — quando compostos químicos atingem os lençóis freáticos ou os cursos d’água mais próximos.

 

O horror nos oceanos

A poluição dos oceanos com lixo também é muito preocupante. E o grande vilão são os resíduos plásticos. Segundo estudo do WWF e do Banco Mundial, o volume de plástico que vaza para os oceanos todos os anos é de aproximadamente 10 milhões de toneladas, o que equivale a 23 mil aviões Boeing 747 pousando nos mares e oceanos todos os anos — são mais de 60 por dia.

Nesse ritmo, até 2030, estima-se que encontraremos o equivalente a 26 mil garrafas de plástico no mar a cada km2. Entre as ameaças para a biodiversidade marinha, estão o estrangulamento por pedaços de plásticos e sacolas — ocasionando desde lesões agudas e até a morte — e a ingestão de plástico — causando úlceras e bloqueios digestivos que podem resultar na morte das espécies. 

— Vale destacar que muitos frutos do mar e peixes que se contaminam com substâncias tóxicas dos plásticos vêm parar nas nossas mesas, ameaçando também a nossa saúde.

 

A Ilha de Lixo do Pacífico

Grande parte do lixo nos mares se acumula em forma de “ilhas” de plástico — depósitos de resíduos que se movimentam em blocos de acordo com as correntes marítimas e acabam “ancorando” em determinadas regiões.  O maior desses depósitos de lixo oceânico é conhecido como Ilha de Lixo do Pacífico ou Grande Mancha de Lixo do Pacífico, e está localizado no meio do Oceano Pacífico, entre o Havaí e o litoral da Califórnia, nos EUA. 

Essa “ilha” — que é tipo um sopão de lixo flutuando no oceano —  tem 1,6 milhão de metros quadrados — cerca de três vezes o tamanho do estado de Minas Gerais — e quase 80 mil toneladas de plástico. Dos 1,8 trilhão de objetos contáveis que flutuam ali, 94% são microplásticos. Os outros 6% são uma miscelânea de itens que incluem garrafas, sapatos e muito, mas muito, material de pesca.  

 

Para saber mais 

 

 

 


FONTES

aguasustentavel.org.br
beegreen.eco.br
blog.brkambiental.com.br
ecycle.com.br
mundoeducacao.uol.com.br
revistagalileu.globo.com
super.abril.com.br