Lixo espacial: quando poluir a Terra não é o suficiente…

 

Quem assistiu à animação “Wall-E”, produzida em 2008 pela Disney-Pixar, sabe muito bem o que é lixo espacial. Toda a humanidade foi embora da Terra por causa do lixo e restou apenas um robozinho — que dá nome ao desenho — tentando arrumar a bagunça. Em determinado momento da história, quando o personagem pega uma carona para sair da atmosfera, é possível ver o planeta completamente cercado de satélites abandonados. Lixo no espaço!

Existem mais de 130 milhões de objetos girando ao redor da Terra. Deste número, apenas 2.000 são satélites ativos. O resto é lixo espacial. O lixo espacial é composto por restos de naves, tanques de combustíveis, satélites que foram desativados, ferramentas perdidas por astronautas e objetos metálicos, que ficam girando ao redor da Terra. Todos esses objetos podem provocar danos às novas naves que são colocadas em órbitas e também aos astronautas. O homem deixa lixo no espaço desde 1957, quando foi lançado o primeiro satélite artificial, o Sputnik, durante a corrida espacial entre a antiga União Soviética e os EUA.

 

E a Lua, coitada…

180 mil quilos de objetos e dejetos foram deixados na Lua pela exploração espacial da NASA, entre 1969 e 1972. Daria para encher quase 20 caminhões de lixo! 

Mas, quando Neil Armstrong deu seu “pequeno grande passo”, já havia lixo na Lua. Sondas lançadas não só pela Nasa, como pela ex-União Soviética, já estavam por lá. Elas foram enviadas para mapear o território e analisar as condições para uma possível missão tripulada. Com o trabalho feito, destroços das sondas, veículos e materiais necessários para as experiências foram espalhados pela superfície e deixados para trás.

Também fazem parte do lixo artigos inusitados. A NASA tem uma lista reunindo todos os objetos deixados na Lua. Entre eles, estão bolas de golfe, bandeiras norte-americanas, cem notas de dois dólares, pacotes de lenços umedecidos, uma barra de sabão, uma pena de pavão e… cocô de astronauta. Sim, existem 96 pacotes deles lá. 

A placa que traz a frase “Por toda a humanidade, nós viemos em paz”, levada em 1969, também permanece por lá. 

Mas o lixo deixado na Lua não é de todo ruim. Um refletor abandonado pela tripulação da Apollo 11 permite aos cientistas medirem a distância entre a Terra e a Lua.

 

 

Para saber mais

  • Mais de cinco décadas depois, a NASA decidiu que vai buscar os 96 sacos de excrementos deixados na Lua pelos astronautas das missões Apollo. A intenção é científica: descobrir o que aconteceu com eles após todo esse tempo, verificar se ainda há algo vivo lá dentro. Fezes humanas são um verdadeiro ecossistema — metade são bactérias, entre elas algumas das mais de mil espécies de micróbios que vivem em nossos intestinos. Além de fezes, as sacolas de dejetos deixadas pelos astronautas também têm urina, restos de comida, vômitos e demais resíduos do tipo — e assim que a NASA voltar presencialmente ao nosso satélite natural (o que acontecerá a partir de 2024 com o Programa Artemis), seus cientistas terão em mãos um montão de material orgânico que permaneceu na Lua por várias décadas: será que os micróbios sobreviveram no inóspito ambiente lunar? Se sim, será que sobreviveriam a viagens interestelares para semear vida pelo cosmos?

 

 


FONTES

canaltech.com.br
aventurasnahistoria.uol.com.br
nasa.gov
uol.com.br