Que desperdício!

 

Não é de hoje que o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. Um dos exemplos que refletem essa desigualdade é a convivência do desperdício de alimentos com a insegurança alimentar

O Brasil está na lista dos dez países que mais desperdiçam alimentos no mundo, gerando descarte de aproximadamente 30% de tudo que é produzido para o consumo. São desperdiçadas no país 23,6 milhões de toneladas de alimentos por ano, o que representa mais de 40 quilos por pessoa ao ano. Esse total desperdiçado seria suficiente para alimentar 13 milhões de pessoas!

Os alimentos mais desperdiçados pelos brasileiros são: arroz com 22% do total; carne bovina com 20%; feijão com 16%; frango com 15%; hortaliças com 4% e frutas também com 4%.

E na contramão desse desperdício, existem milhões de brasileiros que passam fome. A fome é uma das mais cruéis situações que o ser humano pode passar e faz parte da vida de 19 milhões de brasileiros — segundo o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. A sondagem inédita indicou que 55,2% dos lares brasileiros, ou o correspondente a 116,8 milhões de pessoas, conviveram com algum grau de insegurança alimentar nos últimos meses de 2020 e 9% deles vivenciaram insegurança alimentar grave, isto é, passaram fome mesmo. De acordo com os pesquisadores, o número encontrado de 19 milhões de brasileiros que passaram fome na pandemia do novo coronavírus é o dobro do que foi registrado em 2009, retornando ao nível observado em 2004 — um retrocesso de 16 anos.

 

E no nível mundial?

Mais de um sexto de toda comida produzida em 2019 foi desperdiçada, conforme relatório publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela instituição de caridade pró-sustentabilidade WRAP, do Reino Unido.  São cerca de 931 milhões de toneladas de alimentos descartados em casa, em restaurantes e em redes de varejo. Para se ter uma dimensão, o número é o equivalente a 23 milhões de caminhões de 40 toneladas totalmente carregados com alimentos, que alinhados dariam a volta na Terra sete vezes.

E quem descarta os alimentos?

De acordo com o estudo, a maior parte do desperdício de alimentos — o equivalente a 61% — vem das famílias. Ou seja, das casas de cada um de nós. Aquela maçã que talvez você comeu um pouco e resolveu jogar fora… ou aquela banana que, depois de passar dias na sua cozinha, ficou preta… O restante —26% — vem do setor de serviço de alimentos, como restaurantes, hotéis ou estabelecimentos de ensino. E, por fim, 13% vêm do comércio, como supermercados ou pequenas lojas. O estudo revisou dados governamentais e estudos acadêmicos de 54 países desenvolvidos e subdesenvolvidos para obter um panorama abrangente do desperdício de alimentos no mundo.

 

 

Para refletir

  • Uma pesquisa realizada pela Embrapa com o apoio da Fundação Getúlio Vargas mostrou que a classe social não é o que determina o desperdício. As famílias que desperdiçam pouco não são necessariamente as mais pobres, mas as que adotam hábitos de consumo mais sustentáveis. Na prática, são aquelas pessoas que fazem compras menores, preparam listas de compras e reutilizam as sobras em novas refeições. Olha o consumo consciente aí!

 

 


FONTES

agenciabrasil.ebc.com.br
akatu.org
alimentacaoemfoco.org.br
bbc.com
g1.globo.com
menos1lixo.com.br
unep.org