Coleta seletiva e reciclagem

 

COLETA SELETIVA é o termo utilizado para o recolhimento dos materiais que são possíveis de serem reciclados. Dentre estes materiais recicláveis, podemos citar os diversos tipos de papéis, plásticos, metais e vidros.  Os materiais devem ser previamente separados e limpos para evitar a contaminação dos resíduos reaproveitáveis — isso aumenta o valor agregado dos materiais e diminui os custos de reciclagem. 

73% dos municípios brasileiros possuem alguma iniciativa de coleta seletiva. No entanto, esse tipo de coleta é incipiente e os resultados ainda são pouco significativos. Apesar da Política Nacional de Resíduos Sólidos (ver tópico “Política Nacional de Resíduos Sólidos”, na Biblioteca) determinar a coleta seletiva como obrigação dos municípios, que devem estabelecer planos de gestão integrada de resíduos sólidos com metas específicas, das 79 milhões de toneladas de lixo geradas por ano no país, apenas 3% são recicladas. 

Cerca de 35% do lixo coletado poderia ser reciclado ou reutilizado. Assim, desde 2010, quando os números começaram a ser acompanhados pelo Governo Federal, o Brasil perde R$ 14 bilhões com a falta de reciclagem adequada do lixo. Foram cerca de 12 milhões de toneladas de resíduos sólidos que, ao invés de gerarem dinheiro e emprego, acabaram descartados no meio ambiente.

 

Por que reciclar é importante?

Reciclar significa repetir um ciclo. No processo de RECICLAGEM, o resíduo sofre transformações — em seus estados físico, físico-químico ou biológico — de modo a ganhar características que o tornam novamente matéria-prima ou produto. A reciclagem surgiu como uma maneira de reinserir no sistema uma parte dos resíduos que se tornariam lixo e, consequentemente, contribuiriam para a poluição do planeta.

Quando coletados, são separados e processados para serem utilizados como matéria-prima na manufatura de outros materiais, os quais eram feitos anteriormente com matéria-prima virgem. Assim, por exemplo, quando reciclamos papel, estamos reduzindo o corte de novas árvores; quando reciclamos plástico, estamos diminuindo o uso de petróleo. Sem falar em todos os outros recursos usados no processo, como energia e água.

Reciclar contribui para a redução da poluição do solo, da água e do ar, contribui para manter a cidade limpa, aumenta a vida útil dos aterros sanitários, gera empregos, entre outros benefícios.

 

As cores da coleta seletiva

As cores da coleta seletiva são uma importante ferramenta para a melhor destinação do lixo. Elas permitem que os resíduos sejam separados em categorias, o que facilita muito na hora da reciclagem ou destinação correta de itens que não podem ser reciclados. Alguns locais, como espaços públicos, indústrias, comércios e condomínios, têm lixeiras da coleta seletiva para o usuário depositar o resíduo nos recipientes de cores correspondentes. Segundo resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente, existem dez cores de lixeiras para os diversos tipos de resíduos. Veja abaixo:

  • AZUL: papel e papelão.
  • VERMELHO: plástico.
  • VERDE: vidro.
  • AMARELO: metal.
  • PRETO: madeira.
  • LARANJA: resíduos perigosos (como pilhas e baterias).
  • BRANCO: resíduos de hospitais e serviços de saúde.
  • ROXO: lixo radioativo.
  • MARROM: lixo orgânico.
  • CINZA: lixo não reciclável, contaminado ou cuja separação não é possível.

 

As lixeiras de coleta seletiva mais comuns são as de papel, plástico, vidro e metal. Saiba quais itens podem ser colocados em cada uma delas:

PAPEL E PAPELÃO (AZUL)

  • Jornais, revistas, impressos em geral, caixas de papelão e embalagens longa-vida.

PLÁSTICO (VERMELHO)

  • Garrafas, embalagens de produtos de limpeza, potes de cremes e xampus, tubos e canos, brinquedos, sacos, sacolas e saquinhos de leite, papéis plastificados, metalizados ou parafinados (como embalagens de biscoito).

VIDRO (VERDE)

  • Frascos, garrafas, vidros de conserva.

METAL (AMARELO)

  • Latinhas de cerveja, refrigerante e sucos, esquadrias e molduras de quadros.

Em casas ou condomínios onde não existe a separação por tipo de material, devemos juntar todos os recicláveis, devidamente limpos, em um único saco resistente para a coleta pela prefeitura ou por catadores. A separação será feita, posteriormente, nas cooperativas.  

 

Dicas para facilitar o trabalho dos recicladores

  • Separe o lixo orgânico (restos de comida) do lixo inorgânico ou seco (papel, plástico, vidro).
  • Higienize as embalagens: limpe com água (de preferência água de reúso) as embalagens usadas — por exemplo, cerveja, refrigerante, iogurte, garrafas PETs, embalagens tetra pak etc. — para que não sobrem restos dos produtos, principalmente no caso de detergentes e xampus, que podem dificultar a triagem e o aproveitamento do material. Isso também evita o acúmulo de insetos e animais que são atraídos por objetos sujos, além de evitar o mau cheiro. As embalagens também devem ser secadas. No caso de embalagens com tampas, retire-as.
  • Diminua o volume do resíduo: rasgue e empilhe papéis e caixas de papelão para ocupar menos espaço e facilitar o trabalho dos catadores.
  • Amasse as latinhas: sempre que possível amasse as latinhas de alumínio para economizar espaço e facilitar o armazenamento.
  • Separe o óleo de cozinha: armazene em garrafas PET após a utilização do óleo e procure postos de coleta desse material, que vai poder ser utilizado para a produção de sabão de limpeza. Nunca jogue o óleo na pia ou no tanque, pois pode entupir o encanamento.

 

Isso é reciclável? Que dúvida…

Algumas embalagens e objetos não podem ser reciclados após a utilização por serem compostos de materiais químicos indissolúveis, por serem feitos de misturas de materiais que não podem ser separados, ou ainda pelo processo não ser economicamente viável ou não ter tecnologia disponível. É muito comum a gente ficar na dúvida e acabar misturando esses materiais com os recicláveis — o que atrasa o trabalho dos recicladores. 

Confira os principais MATERIAIS NÃO RECICLÁVEIS do nosso dia a dia:

  • Papéis: papel toalha, papel higiênico, guardanapos utilizados, papéis metalizados, parafinados ou plastificados, adesivos, etiquetas, fita crepe, papel celofane, papel vegetal, papel carbono, fotografias, papéis engordurados. 
  • Vidros: ampolas, frascos de medicamentos ou de produtos químicos, frascos de reagentes tóxicos, cerâmicas, lâmpadas, espelhos, cristais, vidros temperados planos
  • Plásticos: embalagens metalizadas, plásticos do tipo celofane, plásticos termofixos (utilizados na indústria de eletrônicos), acrílicos, cabos de panela, tomadas, isopor
  • Metais: esponja de aço, grampos de papel, latas de embalagem de produtos químicos (tintas, medicamentos, agrotóxicos), pilhas..

Esses materiais devem ser descartados no lixo comum, mas se forem perigosos — como, por exemplo, resíduos que entram nas categorias de lixo especial, hospitalar ou eletrônico —, precisam ser descartados em postos de coleta específicos para serem encaminhados para empresas especializadas.

!!! Alguns desses materiais podem ser coletados pelo processo de logística reversa, transformados e reaproveitados na cadeia produtiva. É o caso de pilhas e baterias, por exemplo. (ver o tópico “Economia Circular”, na Biblioteca)

E, não se esqueça, muitos dos materiais não recicláveis podem ser reaproveitados, reformados, trocados ou doados    

 

Saiba mais

  • O alumínio é uma estrela da reciclagem porque é um material infinitamente reciclável — ou seja, ele não perde suas qualidades no processo de reaproveitamento. O papel pode ser reciclado de cinco a sete vezes, pois a fibra vai se degradando — já o papelão suporta mais vezes porque é tem fibras mais longas e fortes. Vidro também é infinitamente reciclável (com exceção de espelhos, janelas e vidros de automóvel). Já o plástico, depente do tipo — o que pode ser reciclado mais vezes é o PET.

 

 

Anote aí!

  • O dia do reciclador e da reciclagem é celebrado em 22 de novembro. Dia importante para esse profissional e para a atividade tão significativa para o meio ambiente.

 

 


FONTES

abrelpe.org.br
ambientes.ambientebrasil.com.br
brasilescola.uol.com.br
coletasolidaria.gov.br
cnnbrasil.com.br
ecycle.com.br
gove.digital
papelsemente.com.br
pensamentoverde.com.br
vgresiduos.com.br