Como elaborar o seu projeto

Projeto: um ferramenta de transformação socioambiental

O projeto é “uma forma de organizar e desenvolver conteúdos e experimentos científicos com a participação direta dos alunos na construção do conhecimento” (Borges, Univesp, 2012). Ao colocar a mão na massa, o estudante é capaz de conectar e articular, de forma transversal, os temas da sua realidade com o currículo formal.

Proposto na Base Nacional Curricular Comum, o trabalho com projetos é uma das ferramentas pedagógicas que mais atraem os alunos. A metodologia de “aprender fazendo” proporciona às crianças e jovens descobertas que vão além das informações em sala de aula. A aprendizagem é mais investigativa, ajuda na apreensão dos conteúdos e é uma excelente forma de desenvolver o pensamento científico.

O que poucos educadores sabem é que, ao contrário do que se pensa, o trabalho com projetos não são complexos, não demandam de muito tempo para o seu desenvolvimento, nem de uma boa infraestrutura e recursos para que se possa executá-lo. Não importa o tamanho, ou a sua duração, é possível ter um bom projeto de uma semana, um mês, um ano ou mais. O que faz a diferença é o seu objetivo final, aliado a um bom planejamento.

O objetivo final pode ser um estudo, pesquisa ou investigação de um tema. Por exemplo, compreender como funciona o processo científico da coleta, tratamento e devolução da água na bacia hidrográfica que a escola está inserida e quais são seus benefícios ou alternativas da gestão correta. Quando envolve uma problematização, o objetivo final é estimular os alunos a “reconhecerem” sua realidade, identificando problemas, o que desejam mudar e, se possível, buscar soluções. Eles aprendem a formular hipóteses para esta situação, coletam informações, investigam o tema de estudo e partem para uma ação visando resolver o problema.

Por fim, um projeto também pode ser a concretização de um sonho ou ideia da turma. Por exemplo, implantar uma horta, ou ainda, exercer o consumo consciente com a organização de sistemas próprios de tratamento de água ou de saneamento. O que é simples pode ser grandioso em propósito e resultados!

Em todos os casos, o que se espera é uma transformação no grau de aprendizagem e de habilidades dos alunos. Quando possível, daquela realidade socioambiental.

Dica: Quando o projeto envolve vários membros da equipe escolar, disciplinas e conteúdos curriculares, em um bom planejamento coletivo, melhores serão os resultados do aproveitamento geral. É mais fácil concretizá-lo no tempo disponível porque todos se ajudam mutuamente. Ele tem uma avaliação muito positiva quando isso transparece na escrita, em vídeo e nos registros visuais do formulário do Prêmio.

 

Planejamento das etapas de um projeto

As informações a seguir auxiliam no planejamento e execução do seu projeto, no registro e na sistematização do trabalho. Elas irão te ajudar na elaboração dos materiais da inscrição do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente.

 

1. Qual é o recorte temático? Por que escolhemos este tema (questão-chave)?

A ArcelorMittal propõe, anualmente, um tema geral para o Prêmio. Em 2019 é: Meio Ambiente e Ciência: Água, economizar para não faltar. Como trata-se de uma questão ampla, capaz de contemplar diferentes abordagens, você pode eleger um recorte temático para o seu projeto. Observe que, nos materiais dos alunos deste ano, há um percurso inicial de textos e passatempos para que eles compreendam questões básicas sobre a água, antes de executar o projeto. Veja que os materiais propõem um sequência lógica de aprendizado onde o aluno entende melhor a relação da água com o seu cotidiano e, depois, propõe-se uma investigação do que acontece na escola, instigando-os a muitas descobertas, inquietações e ideias. Neste processo, pode surgir a motivação: uma questão chave a ser resolvida, pesquisada ou sugerida pela turma, ou seja, um recorte temático.

Dica: Lembre-se de escrever com clareza no formulário do Prêmio qual foi o recorte temático adotado pela escola a partir do tema de 2019. De onde e por que surgiu esta ideia com a turma. Porque ela é importante no contexto escolar, para a comunidade e para o meio ambiente. Justificar e defender a origem do seu projeto ajuda a compreender a sua importância.

 

2. Qual é o seu objetivo?

O projeto será uma experimentação científica sobre a água? Por exemplo, simular o tratamento da água, o impacto da erosão, os usos da água no cotidiano. Deixe claro porque escolheu este objetivo, porque é importante esta experiência para os alunos e para a escola e qual será o benefício a ser conquistado na aprendizagem após o projeto.

O projeto partirá de uma problematização para uma solução? Por exemplo, diminuir o uso de água nas atividades da escola, melhorar a iluminação de um local usando garrafas transparentes com água em forma de claraboias, otimizar o uso da água nas regas da horta aproveitando a água do bebedouro ou com um sistema de captação da água da chuva. Deixe claro qual é o tema e o problema em questão. Onde ele acontece e quem está envolvido e o porquê da escolha do tema para aquela realidade. Algumas perguntas podem nortear a organização desse passo:

O que se pretende mudar? Quem será beneficiado com a execução do projeto e/ou a solução? Há possibilidades de ele ser replicado e continuar existindo após o seu término?

 

3. Qual será o título do projeto?

O nome é uma forma de comunicar o real propósito do projeto e tem a ver com o seu objetivo. Algo que faça sentido para quem lê ou ouve na primeira impressão, não somente para o grupo que o executa. Uma boa dose de criatividade é uma maneira de chamar a atenção. Veja o caso de um dos vencedores do Prêmio de 2018, na categoria Cientista Mirim II: “SustentHabilidade com os 3R’s”, da Escola Municipal Governador Israel Pinheiro, João Monlevade, MG.

 

4. Quanto tempo dispomos?   

O tempo disponível define o tamanho do projeto, que será feito, como fazer (metodologia) e o grau de expectativas em relação aos resultados.

Calcule o tempo disponível até a data final de inscrição no Prêmio, criando um cronograma de atividades. Desde à preparação dos docentes para organizar o trabalho com o projeto e os materiais de apoio à sensibilização do tema e uso do material dos alunos, a execução do projeto, o registro e a sistematização, a elaboração do formulário e do vídeo para a inscrição.

Tente conciliar o calendário de atividades com as datas temáticas já trabalhadas na escola, como o Dia Mundial do Meio Ambiente, o Dia do Folclore, o Dia do Índio ou ainda o Dia da Árvore.

 

5. Onde, com quem e com o quê?   

O projeto envolverá alguns espaços ou a escola toda? O ambiente da comunidade ou de algum outro lugar externo?  Os alunos irão interagir com quais públicos para executar o projeto? O que iremos precisar?

Dica: A partir desta definição, é possível mensurar os recursos necessários disponíveis e o que precisaremos de apoio (humano, logística, materiais etc). Quando outras turmas ou colaboradores da escola, familiares e possíveis parceiros são envolvidos, o projeto demonstra sua capacidade de mobilização e multiplicação. Além do seu papel transformador de uma realidade comum. Não esqueça de contar isso no formulário do Prêmio.

 

6. Desenvolvimento

6.1 Sensibilização, contextualização, motivação: o uso dos materiais do aluno deste ano, a realização de alguma das dinâmicas e jogos propostos no guia, um vídeo, uma amostra de fotos, uma música, a leitura de um texto com um caso real… Sensibilizar os alunos para o tema geral do projeto, antes de colocar a mão na massa, vai fazer toda a diferença para motivá-los e reconhecer o que já sabem.

6.2 Execução: procure usar metodologias e materiais criativos que estimulem a curiosidade e a investigação. Possibilitem a interação, a colaboração e a produção coletiva do conhecimento. Entre os alunos e você, entre alunos de outras séries, entre membros da comunidade escolar… Lembre-se que não é preciso alterar a rotina escolar ou criar salas especialmente para o projeto.

Se trabalhar uma problematização, um bom caminho é propor uma pergunta aos alunos e levantar coletivamente hipóteses para este problema. Veja um exemplo:

Problemática: É possível diminuir o consumo da água da nossa escola?
Pergunta Hipóteses levantadas pelos alunos
Por que usamos tanta água? Porque a água é abundante e não vai acabar.
Porque as pessoas jogam lixo no chão e o pátio é lavado todos os dias.
Porque as torneiras do banheiro ficam abertas após o intervalo.
Dica: No formulário do Prêmio, ao invés de reproduzir textos técnicos sobre o conteúdo temático do projeto para contar o que foi feito, use o espaço para descrever uma síntese do passo a passo do seu projeto, como sensibilizou e envolveu os alunos, quais recursos utilizou, qual formato e estratégias adotou para trabalhar o tema ou o problema. O que foi mais relevante para que os resultados fossem atingidos. Lembre-se de que quem lê o seu texto precisa ser “transportado” para a riqueza da sua experiência sem ter estado lá!

6.3 Resultados alcançados (fechamento do projeto): desde o início do planejamento, determine como será feito o registro das informações e das vivências: textos, fotos, vídeos, diário de bordo dos alunos, depoimentos dos participantes e de parceiros, páginas do material dos alunos do Prêmio de 2019, o seu caderno pessoal etc.

Será que o que nos dispusemos a fazer desde o início foi realizado? O que produzimos como resultado? Quais e quantas pessoas foram beneficiadas com as nossas ações? Houve alguma transformação em nosso aprendizado? O projeto contribuiu para modificar formas de trabalho pedagógico, influenciou mudanças sociais, atitudes e habilidades? Qual foi o impacto da nossa ação para a escola, para as pessoas envolvidas, para a comunidade e o meio ambiente? Pretendemos continuar com o projeto na escola? O que faremos para que isso aconteça? Nossa experiência ou metodologia pode ser replicada para outros professores e escolas? Pode ser ampliada para a comunidade?

 

Fontes bibliográficas e dicas de consulta:

Borges, Gilberto Luiz. Orientações gerais para o desenvolvimento do Projeto de EnsinoBotucatu,UNESP, 2012. Disponível em <https://docente.ifrn.edu.br/liviasantos/disciplinas/projeto-integrador/material-com-orientacoes-para-desenvolvimento-de-projetos-de-ensino>.

Moço, Anderson. Cinco etapas para realizar uma boa pesquisa escolar. São Paulo, Nova Escola, 2010. Disponível em: <http://revistaescola.abril.com.br/planejamento-e-avaliacao/planejamento/cinco-etapas-realizar-boa-pesquisa-escolar-607946.shtml?page=1>.

Vieira, Elizangela e Santos, Theodorico. Roteiro como sugestão para Elaboração de Projetos Pedagógicos. Foz do Iguaçu, SMED, 2015. Disponível em: <https://ead.pti.org.br/ntm/pluginfile.php/8520/mod_resource/content/1/Sugest%C3%A3o%20de%20Roteiro%20para%20%20Elabora%C3%A7%C3%A3o%20de%20Projetos%20.pdf>

Roteiro para elaboração de projetos. Site – Pedagogia ao Pé da Letra. 2013
<Disponível em: https://pedagogiaaopedaletra.com/roteiro-para-elaboracao-de-projetos-2/>

loading