Economia circular

Na economia circular, todas as etapas de produção, distribuição, consumo e descarte procuram novas alternativas para que o resultado final seja a redução, reuso e reciclagem da matéria-prima empregada. Observe o diagrama:

Conteúdo completo hotsite do Prêmio.docx

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A economia circular fundamenta-se em três princípios:

  1. Preservar e aumentar o capital natural: o processo começa com o uso de novas tecnologias para “desmaterializar” a entrega de produtos e serviços. Um exemplo é realizar reuniões e/ou atividades de trabalho por meio virtual, diminuindo os recursos utilizados com deslocamento.
  2. Otimizar a produção de recursos: na economia circular, deve-se projetar a fabricação de produtos de forma que todos os seus componentes possam ter o maior índice possível de reaproveitamento.
  3. Fomentar a eficácia do sistema: análise do ciclo de vida do produto. Conhecer toda a sua interação com o meio ambiente, desde a extração da matéria-prima até o final do seu ciclo de uso, procurando reduzir os seus danos em toda a cadeia de produção.


A escolha está em nossas mãos!

Embora a questão dos resíduos dependa de vários elos da cadeia, o consumidor tem um papel fundamental em todo o processo. É ele quem decide o tipo de produto que irá comprar (muito ou pouco embalado, feito de recursos reciclados ou matéria-prima virgem, descartável ou reutilizável); onde irá comprar (feiras, supermercados, produtores locais); onde irá destinar aquilo que não será mais utilizado (para reciclagem, para a coleta convencional, nas ruas, nos córregos, no oceano). O cidadão ainda é capaz de mobilizar o poder público para implantar sistemas de coleta seletiva ou colocar o fim dos lixões na pauta da agenda municipal. A partir da informação e da mudança de pequenos hábitos, temos o poder de transformar a realidade dos resíduos sólidos no país.

 

A lei 12.305/10, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, afirma que todos são responsáveis por reduzir, reutilizar e reciclar os resíduos. Nesse novo sistema, a indústria deve priorizar o uso de matérias-primas renováveis ou vindas da reciclagem. Os sistemas de coleta dos resíduos devem trabalhar para que o máximo possível dos materiais descartados retornem ao ciclo produtivo como matéria-prima. E a população deve repensar os hábitos de consumo, reduzindo supérfluos, reutilizando materiais e encaminhando para a reciclagem aquilo que pode ser reaproveitado.